Browsing Category

Texto

Pensamentos, Texto

Espaço em branco

2 de agosto de 2016

deadline

Vou confessar, eu não sei lidar com esse espaço em branco. Minha cabeça gira com o turbilhão de acontecimentos e eu não consigo enxergar nada além desse risquinho preto. Ele pula, grita no meu ouvido e explana a minha incapacidade de lidar com a falta de criatividade.

Quando não sei o que dizer, apenas fico em silêncio. Mas quando fico muito tempo no mudo, sinto a necessidade sair falando por aí. Então, apenas deixo meus dedos deslizarem no teclado até encontrar as palavras que se encaixem melhor nesse branco ensurdecedor.

Com esse mexido de palavras soltas, finjo que é tudo e chuto o nada pra longe.

 

Pensamentos, Texto

É moda apreciar a solidão

21 de julho de 2016

hands

Esses dias, eu estava conversando com uma amiga sobre a desilusão que é a sua vida amorosa. Segundo ela, é quase impossível encontrar um cara que realmente queira um relacionamento. Depois de conversamos sobre a forma que as pessoas se relacionam atualmente, nós resumimos que as pessoas estão cada vez mais egoístas e esse egoísmo se estende aos relacionamentos.

Fiquei com isso na cabeça. Comecei a pensar nos principais motivos de términos de namoros das pessoas ao meu redor e percebi que não está difícil achar alguém, e, sim, achar um alguém que se comprometa de verdade. Ninguém mais quer dividir a vida de fato com outra pessoa, apenas desejam a diversão, a parte boa de uma relação.

O raro hoje em dia não é você encontrar uma pessoa que queira dar uns beijos ou que queira um sexo casual, mas encontrar aquela pessoa que viva seus problemas com você, que não vá sair correndo na primeira adversidade alegando que “já tem problemas demais para resolver”. Essa parte, meus amigos, é a mais difícil.

Essa distância gera relacionamentos superficiais, aqueles namoros onde as pessoas não falam o que realmente sentem, não demostram afeto, não se importam de fato com o outro. Esse tipo de relacionamento é fadado ao fracasso.

A frustração é enorme. Nunca nos sentimos tão sozinhos, mesmo rodeados de gente, de acontecimentos e de distrações. Nos protegemos tanto para não sofrer que acabamos por sentir nada.

Portanto, se você faz parte da exceção que encontrou um alguém que diga “seu problema é meu também, vamos resolver juntos” ou que chore suas angústias, te escute e te apoie em qualquer situação, saiba que você vive um relacionamento de verdade. Essa sorte é para poucos atualmente.

Na selva atual dos apaixonados é moda apreciar a solidão.

Pensamentos, Texto

Deadline

5 de julho de 2016

citylights

A gente corre sem saber direito para aonde ir. A gente se apressa sem saber ao certo se estamos atrasados. A gente procura em meio a confusão de não saber direito o que queremos encontrar. A gente quer o mundo e, ao mesmo tempo, nada.

Com um eterno “deadline” engasgado na garganta, corremos contra o tempo para, finalmente, chegar sabe-se lá aonde. São muitas questões e vontade nenhuma de encontrar as respostas exatas. São muitos sonhos e uma insatisfação inesgotável. Corremos tanto para preencher cada segundo da nossa existência e, ainda assim, nos deparamos com o vazio já familiar. Existe um espaço. Existe a necessidade de preencher. Existe a vontade de aquietar a obrigação de alimentar o vazio. Só não encontramos as respostas ainda.

Por hora, seguimos na corrida, sempre a procura de algo que possa satisfazer a alma.

Pensamentos, Texto

Montanha russa

20 de junho de 2016

montanharussA

Tem dias que me sinto como se tivesse na volta mais alta de uma montanha russa. Dá um frio na barriga, uma vontade de cruzar os braços e pedir para descer. Nesses momentos eu apelo para o clichê e reconheço que a vida é mesmo feita de altos e baixos, quanto mais no alto a gente vai, maior é o medo da queda.

Eu me sinto assim constantemente. Quando as coisas começam a dar certo, eu continuo esperando o momento que o carrinho vai começar a descer a curva mais alta até eu sentir meu estômago na garganta. Não sei dizer qual sensação é pior, a queda ou a espera pela queda. Posso garantir que ambas causam muitas crises de ansiedade.

Afinal, qual é a atitude mais sábia, se deixar tomar pelos bons acontecimentos e levar um tombo master quando algo der errado ou nunca aproveitar de verdade os momentos esperando pela queda? Pergunta difícil. Eu tendo mais para a segunda opção e, por experiência própria, digo que não adianta de nada esperar que algo ruim aconteça. A verdade é que, não importa se você está preparado ou não, a queda sempre vai doer.

Acho que o balanço ideal é saber que todos nós estamos sujeitos a queda. Ou seja, aproveita o alto, mas não se surpreenda com o baixo quando ele te derrubar.

Viva intensamente a queda, tire o melhor dela quando a fossa bater, mas não deixa que sua vida seja guiada pelo medo de cair. Seja prático. A verdade é que todo mundo pode cair e todo mundo pode levantar. Não pense na queda, pense em manter-se de pé.

Pensamentos, Texto

Sexta-feira e algumas palavras

3 de junho de 2016

carrie

Quando a semana é cheia, a sexta-feira chega como um relaxante muscular. Quando os outros quatro dias da semana te enchem não só de afazeres, mas enchem a cabeça de até ela ficar pesada, a sexta-feira vem como um cafuné no pescoço. Chutar o balde salva, afinal, na sexta-feira pode.

Quando chega perto das 18h, dá vontade de chegar no caixa e pedir: “me vê um cobertor bem quentinho, várias comidas engordantes e um computador com Netflix? Pode embrulhar para levar, por favor”.

A sexta -feira pega todas as angústias da semana e joga no cantinho do quarto para que o domingo de noite se encarregue de resgatar. É aquele dia que começa suave, vai pesando com o passar das horas (hooooooras) e, no final, te faz uma massagem relaxante.

É com a sexta-feira que você quer dividir sua cama, seu hambúrguer com batata frita, sua barra de chocolate e seu filme preferido. É a sexta-feira que você leva para dançar até esquecer da semana que passou, dançar até não sentir os pés.

É a sexta-feira que te presenteia com um sábado todinho de folga.

Bom, já são quase 18h. Vou ali amar minha sexta-feira, segunda eu tô de volta. 🙂